RESENHA: O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares

Ransom Riggs

O primeiro volume da série de livros “Crianças Peculiares” escrito por Ransom Riggs se passa fácil por um livro de terror nas prateleiras das livrarias. A edição que possuo tem uma capa em preto e branco com uma garota flutuando alguns centímetros do chão. Na lateral do livro é possível ver que várias páginas são destacadas em preto denunciando a existência de mais fotos como a da capa.

A ideia principal do autor era reunir uma grande quantidade de fotografias que reunidas contariam uma só história, mesmo que a origem de cada foto fosse diversa. Com o aprimoramento do tempo, as fotos ganharam textos e o romance de estreia do autor nasceu.

O livro é narrado por Jacob Portman, um adolescente traumatizado por presenciar a morte misteriosa do avô, Abe Portman, por uma criatura assustadora “com tentáculos na boca”, como ele descreve. Abe costumava contar para Jacob as histórias de um orfanato distante que havia morado quando criança, mostrando as fotos – as mesmas que estão no livro – e falando do quão peculiares as crianças eram. Abe era uma das crianças do orfanato, mas que saiu de lá antes de um bombardeio que destruiu o orfanato e matou a todos. Assim envelheceu, teve filhos e netos.

O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares
O livro é recheado de ilustrações. Essa, por exemplo, é uma caricatura feita pelo psiquiatra de Jacob do suposto monstro que haveria matado o seu avô.

Jacob cresce e se questiona se as histórias do avô eram verdade. Afinal, ele já era bem velho e não parecia muito são. Porém como um último recado, momentos antes de morrer, Abe pede a Jacob para encontrar a ilha, o orfanato e as crianças para se proteger. Esse é o fim do primeiro capítulo.

É daí que a narrativa nasce. A história contada pelo autor se passa em meio ao caos da guerra, nazismo e perseguição a judeus. Mais ou menos por 1930 a 1950. As crianças, órfãs, são recebidas pelo orfanato que é conduzido pela Srta. Peregrine. Se você achou o nome familiar, é isso mesmo. A matriarca do orfanato tem poderes para se transformar em um falcão peregrino e há toda uma explicação para isso.

As crianças são consideradas peculiares pois detém habilidades especiais que não eram comuns às demais crianças. Numa época onde tudo o que era considerado diferente é perseguido e extinto, não é de se admirar que as crianças tenho fugido. A lista é enorme: uma menina produz fogo com as mãos, um garoto que tem abelhas vivendo dentro do seu corpo, um menino invisível, gêmeos que podem petrificar quem vê seu rosto, uma garota leve como o ar que precisa andar com pesadas botas de ferro, uma menina com força de 10 homens e por aí vai…

O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares
O livro é recheado de ilustrações dos personagens. Mas as fotografias são tão obscuras que a história facilmente se passa por um livro de terror para os mais desatentos.

Com os bombardeios frequentes na região, o orfanato foi atingido. De início acredita-se que todas as pessoas morreram na explosão. Mas, a função da Srta. Peregrine é usar o seu poder para criar fendas no tempo, coisa que só os falcões peregrinos podem fazer, e proteger as crianças nesses espaços no tempo onde se é seguro viver antes que algo trágico aconteça.

Com uma fenda de 24 horas antes do bombardeio, as crianças do orfanato vivem nesse “loop” infinito e todas as noites momentos antes da bomba cair o relógio do tempo é reiniciado e elas viajam instantaneamente para as 24 horas anteriores.

Jacob encara uma incrível viagem seguido por pais que duvidam de sua sanidade mental a procura do orfanato e as tais crianças peculiares na tentativa de entender as histórias e a morte do avô. Para descobrir o final, você precisa ler. Acredite, valerá a pena.

É claro que a história permeia por muito mais do que esse resumo de uma página que digitei, mas é incrível como a narrativa do autor prende o leitor a cada página. Cheio de diálogos o livro tem duas formas de contar a mesma história. A textual, contada por Jacob. E a visual, contada pelas fotografias. Tudo é exibido e isso faz com que não só o livro seja bem compreendido mas também que a imaginação defina a formas dos personagens.

Publicado pela Editora Leya no Brasil, a encadernação é excelente, com orelhas, as folhas são em papel pólen, bem amareladas e pouco translúcidas. Excelentes para a leitura. Quem quiser uma edição ainda melhor, pode comprar as edições em capa dura e levemente acolchoadas. São lindas!

O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares
Diagramação muito bonita e temática, mesmo nas edições mais simples. 

O livro tem continuação em mais dois exemplares. “Cidade dos Etéreos” e “Biblioteca de Almas”.

Com um design em preto e branco, recheado de fotografias enigmáticas e até assustadoras, o primeiro volume de “Crianças Peculiares” mostra uma história de fantasia que mescla o doce de crianças mas também o horror de uma guerra.

A adaptação para o cinema foi lançada em 2016. O trailer segue abaixo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *